28 de nov de 2010

Existem amigos?


Sabe, eu estou começando a acreditar que realmente não existem amigos...
Existem companheiros de caminhos, que encontramos em algum momento de nossas vidas e nos separamos sem muito apego em outros momentos da vida...

Eles fazem participações até importantes em nossas vidas mas nunca nos acompanham até o final de nossa caminhada.

As vezes nossos caminhos se cruzam novamente e voltam a se separar com o tempo.
São muitos os caminhos, são muitas escolhas, mas a nossa jornada é solitária e apenas nós mesmos podemos seguir nosso caminho.

Não acredito mais em amizade para a vida toda, até podemos nos sentir amigos só não sabemos se é recíproco. Tem momentos que achamos que temos amigos e na verdade estamos sozinhos, ou então nos consideramos amigo de alguém e esse alguém não nos considera como amigo...

Consideração é o que tem faltado em minha vida!

Pensava que podia contar com algumas pessoas, mas só me decepcionei e olha que eram poucas as pessoas que eu pensava que eram minhas amigas.........
Agora sei que sou sozinha.

Está certo que não éramos mais grudadas agora, de nos falarmos toda semana, nem nada disso, mas sabe quando achamos que não importa o tempo nem a distância poderíamos contar com essa pessoa.... foi esse o caso. Passaram-se os dias e eu não era mais considerada amiga por parte dela.
Depois de anos juntas, das conversas, dos conselhos, das alegrias, dos momentos difíceis, das colas na sala de aula (rs), do emprego que ajudei a conseguir, dos incentivos para não desistir do namorado,... parece que já não era mais importante me considerar amiga.

Não estou com raiva, apenas magoada e triste.
Não sei se meu caminho se cruzará com o dela novamente, nada nessa vida é definitivo, mas hoje não pretendo mais achar que a amizade pode ser duradoura nem totalmente verdadeira.

Sei que posso ser amiga esse é o meu jeito, só não esperarei mais nada de pessoas que se disserem minhas amigas.

E contrariando o que eu disse até agora, um video para quem ainda acredita em AMIGOS.

19 de nov de 2010

Eh vida complicada...


Eu fico entediada as vezes rápido demais.
Apesar de achar a rotina de certo modo segura e confiável, fico enjoada querendo mudanças...
Da mesma maneira que me apego facilmente as coisas, também fico entediada facilmente...
Com tudo isso, tenho mania de ficar vários anos na mesma empresa, cinco, quatro anos é o de praxe.

Estou há mais de um ano trabalhando nesta empresa e mesmo não sendo na área que me formei, gosto do que eu faço. De repente uma amiga me informou sobre uma área totalmente diferente, que está precisando de uma demanda grande de profissionais mas o mercado não está dando conta. A pessoa faz um curso, faz um estágio e já sai empregada. Parece mentira não é? Eu pesquisei e me informei a respeito e é tudo verdade! E o melhor: o salário inicial é mais ou menos, três vezes maior do que recebo hoje... Nem vou falar que fiquei intrigada com isso e comecei a avaliar o que sentia a respeito ao meu emprego.
Essa amiga está deixando o serviço dela para fazer o curso.
Só que aí vem as dúvidas: Devo trocar o certo pelo duvidoso?, Será que vou gostar dessa área?, Devo continuar nesse ou continuar tentando algo na minha área?, O salário fala mais alto?, Será que nessa nova área terei mais chances de crescimento?
Não paro de fazer milhares de perguntas....

Não sei se está na hora de tentar algo novo, sei que trabalho muitas horas por dia, ganho razoável e não tenho chances de crescimento. Para quem gosta de comodidade e rotina, esse é o serviço.
Sei que posso continuar nesse serviço, mas espero algo melhor, só não sei se é na minha área ou em outra qualquer...

Essa nova área tem muito campo de serviço, é de muita responsabilidade, e eu nem imaginava que existia, pois nunca me imaginei trabalhando nesse setor. O que não indica que eu não vá gostar, não é mesmo? Afinal nunca tentei.
Bom, não sou casada, não tenho filhos e minhas responsabilidades posso cumprir.
Seria a hora exata de jogar tudo para o ar e mudar de serviço?
O maior tempo que fiquei desempregada foi sete meses e foi terrível!!! Não quero passar por isso novamente, se eu não me adaptar ao novo emprego e tiver que desistir?
Ou seria esse um grande passo que eu esteja mesmo precisando para mudar minha vida?
Estou muito confusaaaaaaaaa!
E a coragem que me escapa entre os dedos...
Sugetões, por favor!

15 de nov de 2010

Objetivos


Vale a pena?!
Tanto esforço?
Tanta correria?
É necessário mesmo isso na sua vida?
O que te impulsiona?
O que faz você ter tanto trabalho?
O que te faz levantar cedo e aguentar o dia todo?
Que recompensa você espera receber no fim de tudo?
Para que lutar tanto, se privar de coisas na esperança de algo melhor?
Para que tanto sacrifício?
O que te espera no fim do arco íris?

São muitas as perguntas para na verdade saber o que é importante na sua vida ou o que você espera da sua vida.
A gente nasce, cresce, morre e ponto final.
Passamos nossa vida nos esforçando, tentando ser o melhor que conseguimos, lutando para sobreviver e esperando alguma coisa, qualquer coisa que seja por mérito nosso.
Cada pessoa tem seu objetivo a ser alcançado e pelo qual esta disposto a brigar com unhas e dentes.
Algumas vezes, ao alcançar seu objetivo logo aparece outro e assim sempre existe um objetivo.

.... mas será que não podemos viver sem isso?

Sem correr atrás de nada, de ser feliz somente com o que temos e o que somos?
Será que esse objetivo é o correto? Ou será que estamos escolhendo alheatóriamente?
Vale a pena o que você deseja? Faria qualquer coisa por ele?
O que te tira o sono?
O que você pensa assim que acorda?
O que te faz suportar críticas e stresse?
Você será uma pessoa melhor se conseguir isso?

Pense...

2 de nov de 2010

Amélia


"Amélia que era mulher de verdade".

Essa frase é mesmo verdadeira?
Existe ou existiu uma mulher como Amélia?
Temos um pouquinho de Amélia dentro de nós???

Hoje em dia com nossas vidas corrida quase não temos tempo para nada, nem para pensar muito. Muitas coisas vão acontecendo no improviso mesmo, quase automaticamente, tipo ação e reação...
Com isso, ser cuidadosa, prendada, atenciosa, nem sempre é o que temos em mente.
Quantos papéis temos em um dia: filha, esposa, mãe, irmã, profissional, amiga, dona de casa, um pouco enfermeira, um pouco economista, um pouco faz tudo, e segue ainda mais...

Eu acho que as mulheres de antigamente eram mais mulheres, deixe-me explicar: só cuidavam do marido e filhos, assim sobrava tempo para se cuidarem melhor, cuidar da casa melhor.
Hoje tempos que priorizar, a maioria das vezes deixamos nós mesmas por último.
Tem muitas mulheres que não dão conta, um exemplo é minha irmã que sempre pede uma ajudinha da minha mãe para deixar a casa em ordem, ela gosta de ter tempo pra ela e acaba deixando de fazer alguma coisa que por fim se acumula e ela corre para a mamãe, rs.

Tem mulheres que tem pulso firme e conseguem ter tudo em ordem, casa, marido, filhos, trabalho e ainda sobra tempo para irem a academia ou igreja ou apenas passear... Conheço poucas mulheres assim, mas posso garantir que elas existem!

Eu aprendi de tudo, desde pequena ficava olhando tudo o que minha mãe fazia e queria aprender, particularmente adoro cozinhar, mas odeio lavar louça, kkk. Tenho algumas amigas que não sabem nada de cozinha, compram tudo pronto ou pré pronto, nem tem ideia como são preparados os pratos que elas adoram... Costurar então, parece bicho de outro mundo, não sabem nem remendar, na máquina ou a mão, preferem comprar algo novo ao ter que arrumar o que foi rasgado.

É muito fácil cozinhar, limpar, passar, o difícil é conviver, é lidar com as pessoas.
Assim é nesse ponto que acabamos perdendo mais tempo de nossas vidas, tentando entender e agradar os outros.